quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Mariquinha e Joaninha marcam presença na escola durante a Semana Nacional do Livro

Para comemorar a Semana Nacional do Livro a biblioteca promoveu nos dias 26 e 27 de outubro último o evento de contação de estórias para os alunos dos turnos da manhã e tarde.

As contadoras Maria Campos, Mariquinha, e Meiriani Araújo, Joaninha, do projeto A Bolsa de Histórias, apresentaram o texto “Morreu tio Eurico! Rubião ficou rico!” de Lylian Sypriano, contando de forma bem divertida e humorada a estória do mordomo que fica toda a herança do tio Eurico e que não é dinheiro e sim um caminhão de livros. No princípio Rubião não gosta do que herdou mais aos poucos se apaixona de tal forma pelos livros, que transforma a casa em que mora em uma enorme biblioteca!

De acordo com Maria Elisa de Oliveira Bastos, auxiliar de biblioteca da Escola, o objetivo da apresentação foi mostrar aos alunos, professores e funcionários a importância da leitura no dia-a-dia.


Mariquinha, de nariz de palhaço, e Joaninha divertem os alunos com a estória de Rubião gatão


* Texto produzido pela equipe da Biblioteca da Escola Municipal Maria das Neves

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Noite de mágica e de espanto no “Marião”

O dia 07 de outubro de 2009 ficará marcado na história da Escola Municipal Maria das Neves como um dia de contrastes: a alegria das comemorações da Semana da Criança pela manhã, tarde e início da noite foi substituída pela consternação de alunos, professores e funcionários com a inundação que assolou a EMMN no restante da noite.

Era por volta das 20:00 quando o mágico Mr. Rossi encerrou a sua terceira apresentação do dia em nossa escola. Em sua apresentação, Mr. Rossi fez quase de tudo: tirou coelho da cartola, transformou lenços em pássaros, fez objetos desaparecerem e aparecerem diante dos intrigados olhos da platéia, etc. Só não fez a chuva parar!

E como choveu naquela noite. Não demorou muito para a escola ficar sem luz e, como num passe de mágica, logo foi inundada pelas águas da chuva e do esgoto. Formou-se um “rio” no pátio (mais ou menos 30 cm de profundidade). Biblioteca, secretaria, salas da coordenação, direção e dos professores foram inundadas. Um muro que fazia divisa com a casa vizinha caiu dentro da escola. Cada um se refugiou da maneira que pôde. Os alunos ficaram em cima do palco do pátio, professores em cima da mesa da sala, etc. Funcionários e direção tentavam salvar alguns documentos e equipamentos que estavam próximos ao chão. Diversas pessoas, inclusive crianças, andavam descalças na água imunda. Alguns alunos chegaram a passar mal diante a tensa situação.

No dia seguinte a escola parecia um cenário de guerra: parte do guarda-corpo fora destruído e o pátio se mostrava repleto de lama e resíduos diversos. Os funcionários da escola levaram dois dias para limpar o pátio e as salas. O entulho só foi retirado na semana seguinte, no dia 16 de outubro pelos funcionários da prefeitura.






* Imagens veinculadas pela Rede Globo Minas em 8 de outubro de 2009, durante a primeira edição do MG TV.


Para assistir a reportagem da TV Globo sobre a enchente, clique aqui.

Para assistir a reportagem da TV Alterosa sobre a enchente, clique aqui


Passado o susto, se torna necessário refletir sobre as causas que provocaram estes incidentes. Será que a incrível quantidade de chuva que caiu naquele dia justifica tal calamidade?

Provavelmente não! Não foi a primeira vez que muro caiu. Waldemar Alves Pereira Filho, antigo funcionário da escola, conta que no dia 10 de dezembro de 1994 incidente semelhante ocorreu. A professora Fátima ressaltou que, enquanto a prefeitura não realizar obras estruturais na encosta, a escola ficará sempre sujeita a esses incidentes. Construir um simples muro lá, não resolverá o problema.

O problema da enchente também é preocupante e não se restringe a nossa escola. Basta ler os noticiários para enumerar inundações cada vez mais constantes e em diferentes lugares da cidade. Quando caem os temporais, a água não encontra a vazão adequada, devido a diversos fatores como o acúmulo de lixo em canos e bueiros.

Cabe ao poder público tomar as providências necessárias para a realização de obras que evitem ou minimizem esses incidentes. Procedimentos de manutenção devem ocorrer constantemente para manter a segurança e saúde de todos. Porém, cabe a nós, integrantes da comunidade, a exigir e fiscalizar o cumprimento dessas ações, além de contribuir com a limpeza urbana. Não jogar o lixo na rua já ajuda bastante. Afinal, não será num passe de mágica que estes problemas se resolverão. Mr. Rossi que o diga!

Guilherme Campos dos Santos

domingo, 20 de setembro de 2009

Vem dançar!

E não é que a vida inspirou o filme e o filme inspirou diversas atividades no "Marião"?!

No semestre passado foi exibido para os alunos e alunas do noturno da EMMN o filme "Vem dançar". Com direção de Liz Friedlander e estrelado por Antonio Banderas, o filme foi baseado em fatos reais. Banderas interpretou Pierre Dulaine, um professor de dança que trabalhou como voluntário em uma escola pública de Nova York, ensinando dança de salão para estudantes considerados "indisciplinados".

Esse professor buscava ensinar aos seus alunos valores como auto-confiança, respeito ao próximo e perseverança. Em suas aulas, estilos clássicos da dança de salão como tango, merengue, foxtrote, dentre outros, foram misturados com o hip-hop.

O filme “caiu no gosto” dos alunos e alunas da EMMN, que se divertiram bastante com as seqüências de dança. Alguns chegaram até a produzir pesquisas e registros sobre o filme no laboratório de informática.

No último dia 04 de setembro, um grupo de 11 alunos da EMMN aceitou o convite da professora Marielze e participou de uma aula de dança de salão numa escola especializada. Quem participou, ficou bem empolgado com a experiência.

Com tantos depoimentos a favor, a direção da EMMN tenta, junto à Secretaria Municipal de Educação-SMEd, a permissão para dar continuidade a ação. Por enquanto, a atividade está suspensa, pois a SMEd argumenta que, para ser considerada atividade dentro do dia letivo, as aulas de dança devem ocorrer nas dependências da EMMN e não nas dependências de uma escola especializada.

Já os professores da EMMN argumentam que, igual a uma excursão, apenas as alunas e os alunos interessados nessa atividade sairiam da escola, todas as sextas-feiras, sempre acompanhados por um professor. Os demais alunos participariam das outras atividades na escola, normalmente.

Os professores argumentam, também, que a a escola especializada localiza-se apenas algumas quadras da EMMN, não tendo, portanto, nenhum gasto com o transporte. Sem contar que os professores de dança se disponibilizaram a atender apenas nas dependências da escola especializada.

Enquanto a direção da EMMN e a SMED buscam uma solução, o Blog do “Marião” quer saber a sua opinião. Poste um comentário e vote em nossa primeira enquete. A EMMN deve oferecer aulas de dança de salão às sextas-feiras para o noturno?

video

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Poesias ao vento!


Em setembro, a biblioteca da escola lançou a campanha “Poesias ao vento”. Utilizando a técnica da literatura de cordel, textos com poemas de autores consagrados estão expostos no pátio da escola. Vale a pena conferir. A seguir, uma pequena contribuição do Blog do “Marião” para a campanha:

“Se procurar bem você acaba encontrando.
Não a explicação (duvidosa) da vida,
Mas a poesia (inexplicável) da vida.”

Carlos Drummond de Andrade